Trabalho e Evolução, por Alberto de Souza Rocha

Tempo de leitura: 4 minutos

Alberto de Souza Rocha

O trabalho não visa apenas à subsistência do lar, a nutrir os corpos e dar-lhes abrigo e lazer. Ele educa o homem, explicitando deveres, em se constituindo no melhor remédio contra toda sorte de pensamentos corrosivos da mente. É fundamental na vida do homem e da sociedade, com vistas à própria evolução.

É conhecida uma estória de certo cidadão que, havendo partido desta vida, demorava-se na Erraticidade, em absoluta e prolongada ociosidade, nada lhe sendo exigido que fizesse. Conta-se que tudo lhe sorria, mas que, à certa altura dos acontecimentos, já implorava aos bons gênios que o retirassem daquele paraíso de contemplação, pois que se enfadara do ócio e da inutilidade. Só então soube que estava a rigor, mesmo nas estâncias do Inferno. A ociosidade era-lhe o suplício…

– Meu Pai trabalha cem cessar e Eu também trabalho” – terá dito o Mestre dos Mestres. E, em “O livro dos Espíritos” (questão 676) muito apropriadamente lemos: “Sem o trabalho, o homem permaneceria na infância intelectual”.

Se for verdade que Deus provê as necessidades vitais de todos os seres, consoante o estágio evolutivo, a partir dos mais ínfimos, na série irracional, preservando-lhes a vida dentro da Lei da Conservação e executam-nos, por sua vez, tarefas de indeclinável importância no balanço ecológico, integrando-se na grande equação da vida planetária, por desígnio providencial. Se os lírios não tecem a sua túnica, nem os pássaros aram ou ceifam, nem por isso se furtam à grande Harmonia que atesta a presença de Deus na Natureza. As palavras de Jesus não são um endosso à inação ou à imprevidência como se fôssemos esperar o maná do Céu, antes, terna advertência à avidez e à não-sofreguidão de quem não confia na benção do trabalho.

Trabalho é lei soberana em toda a parte. Através dele, se equilibram os Mundos. Espíritos soberanamente sábios, cocriadores divinos, regem a orquestra incessante do Infinito, no Espaço. Desçamos, no entanto, da Paz das Estrelas ao minguado plano terreno. Para eles, trabalho é toda a atividade produtiva material ou intelectual. Ocupação, esforço. Em física, a produção de movimento em um corpo por meio de uma força, a medir-se, em quilogramas, o produto da intensidade dessa força pelo espaço percorrido.

Os homens, como se sabe, passaram do nomadismo para o sedentarismo há já tantos séculos. Com isso aos poucos se institucionalizou a atividade laborativa com a divisão do trabalho por nível e especialização. Costuma-se reconhecer o trabalho material (dispêndio de energia física) e o intelectual ou mental. Ainda sobre o primeiro, diz-se ser braçal (força bruta do organismo) e/ou mecânico, quando passamos a associar a máquina, a partir da alavanca. Ou quando colocamos, ainda, ao nosso serviço, a força bruta dos irracionais. Sob outro sentido, temos ainda a considerar: o trabalho escravo; o servil; e o assalariado…

Muitos romances focalizam com ênfase o conceito que vigia antigamente com relação ao trabalho material. Para os patrícios romanos, por exemplo, constituía humilhação a contingência de ter que executar qualquer atividade laborativa. Viviam nas pelejas do campo esportivo quando, com o advento do Cristo, nasceu uma mentalidade nova que deu dignidade ao trabalho. Paulo de Tarso marcou fundo a sua transformação quando renunciou aos bens de herança e se dedicou a tecer as próprias vestes. E o Espiritismo institui o dever do serviço por princípio, asseverando que ninguém é imune a esse dever. Nasce com o Cristianismo e se esplende com o Espiritismo o sentido ético do trabalho. Erige-se como uma das Leis Naturais em seu alto valor social. A dignidade não está mais com o homem fátuo, sem trabalho. É a do trabalhador, do operário mais humilde em suas condições pessoais, até a do diretor de indústria ou ao intelectual.

Não se advoga o lucro imediato com vistas ao supérfluo. Os bens decorrem do trabalho honesto, não mais da exploração do homem pelo homem. Não condena a riqueza bem constituída quando posta a serviço da coletividade. gerando empregos e contribuindo para a dignidade dos homens. A igualdade absoluta de riqueza não é possível e, se estabelecida, logo seria rompida, se tentada. Contrariaria a lei do esforço próprio da criatura, sendo sua contrafação o menor esforço. O egoísmo, sim, é a chaga social a condenar-se. Herculano Pires, na sua tradução de “O livro dos Espíritos”, em nota de rodapé declara: “O paraíso terrestre do marxismo equivale ao paraíso celeste dos beatos. O Espiritismo não aceita um extremo nem outro, colocando as cousas em seu devido lugar”.

A divisão em classes, em grupos de atividade, em especialidades, com Ford e Taylor à frente, dá muita importância ao sentido cooperativista, à integração do trabalhador no campo e, sobretudo, da indústria. Mas o Cristianismo do Cristo diferentemente do Cristianismo dos homens, isto é, aquele que o Espiritismo procura reviver, dá um outro destaque, sem apelo, à luta de classes, sem as ambições de supremacia ou hegemonias de grupos. Essa ética pede, agora, respeito aos direitos individuais e aos de classes, abrangendo trabalhadores e dirigentes, com a solidariedade fraterna. Lembra a todos que, junto aos direitos alegados estão, também, deveres recíprocos. O próprio “O livro dos Espíritos” fala dos direitos ao repouso, à aposentadoria e à assistência em face do desemprego. Chega a classificar de flagelo o desemprego. O trabalho não visa apenas à subsistência do lar, a nutrir os corpos e dar-lhes abrigo e lazer. Ele educa o homem, explicitando deveres, em se constituindo no melhor remédio contra toda sorte de pensamentos corrosivos da mente. É fundamental na vida do homem e da sociedade, com vistas à própria evolução. Evolvemos mesmo, podemos dizer, do trabalho material ao intelectual. A Humanidade como um todo e as gerações, no tempo, à medida que avançam, veem cair percentualmente o índice de esforço material em favor da contribuição da inteligência.

Na “Revue Spirite” (março 1864, “Objetivo final do homem na Terra”) encontramos a afirmação de Vaucanson – Espírito: “O homem é um agente espiritual que deve chegar, em período não distante, a submeter ao seu serviço e para todas as operações materiais a própria matéria, dando-lhe como único motor a inteligência que se expande nos cérebros humanos”. E isso tem acontecido.

* Artigo originalmente publicado no jornal “O Clarim”, em junho de 1986.

OS TEXTOS DA EDIÇÃO

EDITORIAL: LEI DO TRABALHO: CONTEXTOS, SONHOS E DESAFIOS

Em tudo é o mesmo suor, por Marcus Vinicius de Azevedo Braga

O Homem e o Trabalho, por Ida Della Monica

O Trabalho como fator de evolução, por Vítor Ronaldo Costa (in memoriam)

O fator evolutivo do Trabalho, por Nelson Santos

Trabalho e Evolução, por Alberto de Souza Rocha

O homem sem Trabalho não pode evoluir, por Leopoldina Xavier

Trabalhador sim senhor!, por Marcelo Henrique

Administrador site ECK

Written by 

Postagem efetuada por membro do Conselho Editorial do ECK.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.