O homem sem Trabalho não pode evoluir, por Leopoldina Xavier

Tempo de leitura: 3 minutos

Leopoldina Xavier

“Fica permitido que o pão de cada dia tenha no homem o sinal de seu nome.
Mas que a subsistência tenha sempre o quente sabor da ternura.”
Thiago de Mello (“in memoriam”), em “Os Estados do homem”.

Para compreender melhor o valor do trabalho como fator de desenvolvimento social e evolução moral, faremos um breve histórico sociocultural da sua cronologia.

Na pré-história, o homem vivia da caça e pesca para sua sobrevivência, o que o levava ao sedentarismo, haja vista que não havia a necessidade de acumulação de bens.

Na Idade Antiga, o trabalho era escravo, não considerava a realização pessoal, e não havia qualquer direito trabalhista.

O sistema de escravidão dá passagem ao sistema servil, na Idade Média, pois a terra era concedida como servidão, sobre ela pagava-se imposto, e o trabalho era baseado na produção agrícola; nesse período, se destacavam os burgos [1], a Igreja Católica tinha influência direta sobre os conceitos sociais e considerava o trabalho como “castigo”.

No século XVI, surge o Calvinismo para se contrapor ao conceito religioso do trabalho como “pecado” e desenvolve uma ética de valorização ao trabalho, individualista, favorável ao lucro, onde o mesmo passa ser visto como “virtude”, surgindo os conceitos de vocação e predestinação.

No século XVIII, com o desenvolvimento da indústria, destaca-se a Revolução Industrial, na Inglaterra, em que se estabelecem direitos mínimos trabalhistas, em especial, em relação à jornada de trabalho e à obrigatoriedade de períodos de descanso; a organização dos trabalhadores passa a ser por corporação, uma forma autoritária e que não permitia a movimentação dos trabalhadores.

Em seguida, ocorre a Revolução Francesa que fortalece os princípios da liberdade e dignidade humana, impondo ao Estado a obrigação de subsidiar o trabalhador nas situações de desemprego.

No século XIX, temos a conquista da organização dos trabalhadores via sindicato, o estabelecimento do contrato de trabalho, a garantia do trabalho assalariado e o respeito aos direitos trabalhistas básicos.

A valorização do trabalho passa a ser de forma permanente, sobretudo por meio de Resoluções, Convenções e Declarações, muitas de cunho internacional. Neste contexto, vale destacar a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948), que menciona ser o trabalho um direito do homem, propiciando a livre escolha do emprego e a luta por uma remuneração justa e satisfatória, que possa lhe assegurar uma existência compatível com a dignidade humana e proteção social.

Assim, observa-se que o trabalho, através dos tempos, em termos materiais, humanos, planetários, esteve e está em permanente evolução para atingir os conceitos da necessidade de conceder uma vida digna, com justiça social, que proporcione felicidade e evolução moral. Isto vai ao encontro do que propõe a resposta à questão 674, de “O livro dos Espíritos”, onde, perguntados pelo Professor Rivail, as Inteligências Superiores afirmam que o trabalho é uma lei natural, uma necessidade do ser humano e deve proporcionar prazer, ou seja, que o trabalho deve ser entendido como fonte de realização, de satisfação pessoal, de alegria, de progresso individual.

O trabalho, assim, para contemplar os princípios da necessidade e do progresso individual não pode se submeter a nenhum pretexto de ordem econômica para se sobrepor à proteção da dignidade e da valorização do ser humano, posto que o desenvolvimento do homem depende da liberdade de sua capacitação, da sua formação educacional, do seu livre-pensar e da conquista e expressão de valores morais e éticos.

A opressão no trabalho, o desemprego, a baixa remuneração, a ausência de leis protecionistas ao trabalhador, geram um estado de frustração, de tristeza, de angústia, de castração, com grave prejuízo à evolução pessoal e com reflexo numa sociedade que pode se destacar por um desequilíbrio social perseguido pela perda de valores morais e éticos.

O ideário do trabalho pautado na justa remuneração para uma equidade social, valorizado nos princípios da dignidade humana, enobrece os valores morais e éticos são, portanto, a garantia para o estado do prazer ao alcance dos seus desejos, compreendendo os fatores reais para a evolução do homem e o consequente progresso civilizatório, nos exatos pressupostos colocados pelo mestre Kardec.

Isto, aliás, também se acha contemplado na canção de Gonzaguinha, “Um homem também chora”:
O homem se humilha
Se castram seus sonhos
Seu sonho é sua vida
E vida é seu trabalho.

Nota do ECK:
[1] Burgos – do latim “burgus”, simboliza em sua origem uma cidadela fortificada e autogovernada. Os burgos se desenvolveram a partir do processo de troca de produtos entre um feudo (propriedade, na forma de terras) e outro. Seus habitantes eram chamados “burgueses”, crescendo de modo a, no século XIX, formarem a burguesia (parcela da sociedade que detinha cidadania, da qual decorriam diversos privilégios sociais, políticos e econômicos.

OS TEXTOS DA EDIÇÃO

EDITORIAL: LEI DO TRABALHO: CONTEXTOS, SONHOS E DESAFIOS

Em tudo é o mesmo suor, por Marcus Vinicius de Azevedo Braga

O Homem e o Trabalho, por Ida Della Monica

O Trabalho como fator de evolução, por Vítor Ronaldo Costa (in memoriam)

O fator evolutivo do Trabalho, por Nelson Santos

Trabalho e Evolução, por Alberto de Souza Rocha

O homem sem Trabalho não pode evoluir, por Leopoldina Xavier

Trabalhador sim senhor!, por Marcelo Henrique

Administrador site ECK

Written by 

Postagem efetuada por membro do Conselho Editorial do ECK.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.