O som do silêncio, por Nelson Santos

Tempo de leitura: 3 minutos

Nelson Santos

Photo by Dan Gribbin on Unsplash

“[…]
E na luz nua eu vi
Dez mil pessoas, talvez mais
Pessoas falando sem dizer
Pessoas ouvindo sem escutar
Pessoas escrevendo canções que vozes jamais compartilharam
E ninguém ousava
Perturbar o som do silêncio
[…]”
The Sound of Silence, Paul Simon & Art Garfunkel

Na atual efervescência política em um momento de transição de governo, gerada pelo eterno embate entre as ditas “direita” e “esquerda”, que, por sua vez se refletem, de sobremaneira, também, no meio espírita, há uma determinada inconformidade com artigos e textos gerados pelos coletivos, entre estes o nosso grupo “Espiritismo Com Kardec (ECK)”. Tal inconformidade cita, seguidas vezes, a excessiva politização dos debates e a tendência à esquerda e, ainda, que estamos agindo em desacordo com o legado de Allan Kardec, por ele exposto ao longo de suas trinta e duas obras.

Premissas rasas e incorretas, convenhamos. E disto aqui trataremos.

Primeiramente, iremos confrontar os argumentos usuais das críticas com o artigo primeiro do Estatuto da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas (SPEE), constante em “O livro dos Médiuns”, segunda parte, das manifestações espíritas, capítulo XXX, em que consta: “A Sociedade tem por fim o estudo de todos os fenômenos relativos às manifestações espíritas e sua aplicação às ciências morais, físicas, históricas e psicológicas. As questões de política, de controvérsia religiosa e de economia social lhe são interditas.”.

Esquecem-se, os amigos, do momento histórico em que foi criada a SPEE, em 1º de abril de 1858, sob a égide de uma forte intervenção parlamentar e do amordaçamento da imprensa, além das restrições à liberdade civil, pelo regime absolutista de Napoleão III. Portanto, nada mais plausível que o Prof. Rivail fosse prudente para não ter dissabores com o governo.
Ainda, nesse diapasão, nossos colegas espíritas gostam de citar a resposta de Kardec à mensagem de ano novo dos Espíritas lioneses, na “Revista Espírita”, de fevereiro de 1862: “[…] Devo ainda assinalar-vos outra tática dos nossos adversários, a de procurar comprometer os espíritas, induzindo-os a se afastarem do verdadeiro objetivo da doutrina, que é o da moral, para abordarem questões que não são de sua alçada e que, a justo título, poderiam despertar suscetibilidades e desconfianças.

Não vos deixeis cair também nesse laço. Em vossas reuniões, afastai cuidadosamente tudo quando se refere à política e a questões irritantes. A tal respeito, as discussões apenas suscitarão embaraços, enquanto ninguém terá nada a objetar à moral, quanto esta for boa. […]”

Nesse momento, em particular, Napoleão III já tinha suspendido as citadas restrições às liberdades civis, porém, o clero católico e os pastores protestantes tinham profundo receio de que o conhecimento e a aceitação do Espiritismo abalassem as bases estruturais dogmáticas que sustentavam toda a coerência filosófica pautada nos preceitos bíblicos. Neste texto, então, Kardec alerta sobre os adversários – inclusive no seio do Espiritismo –, que possuíam amarras dogmáticas e suas tentativas de descrédito concorrentes a tumultuar o bom andamento das reuniões mediúnicas, levando assuntos externos a este tipo de trabalho.

Rivail-Kardec, portanto, salientou tais alertas e realizou outras críticas, ao longo de suas obras, ao socialismo, claramente materialista, por considerá-lo falho, mas, por outro lado, sempre ressaltou, enfaticamente, a necessidade da beneficência e a justiça social – inclusive com a máxima “Fora da caridade não há salvação” –, assim como a liberdade, a fraternidade e a igualdade (hoje, melhor traduzida como equidade) e sua aplicação pelo ser no mundo material-social.

Visto que, para que a justiça social se torne operante e efetiva, além dos conceitos e conjecturas, é imprescindível uma política social, apartidária, necessária em face do nosso nível progressivo, para dirimir as mazelas sociais. Para tal, devemos nos manifestar e não continuarmos omissos, como bem asseverou a Espiritualidade na resposta à questão 932 de “O Livro dos Espíritos”: “[…] Os maus são intrigantes e audaciosos, os bons são tímidos”.

Deste modo, ao tomar-se uma posição contrária a ignomínia presente no seio do poder, procurando honrar, efetivamente, as premissas espíritas perante a sociedade, hoje, tão maltratadas, seja por desrespeito aos direitos humanos, às conquistas sociais, ao bioma, à ciência, e pelo sucessivos erros econômicos, todas estas ações perpetradas por um governo inoperante, isto não é ser de esquerda ou de direita, pois esses conceitos são superados e anacrônicos, mas ser genuinamente espírita.

Assim, o ECK, como seu nome apresenta, honra as premissas kardecianas e do Espiritismo, a expressão evolutiva do ser nos aspectos moral, intelectual e espiritual, e seu lugar em uma sociedade justa, não estando desse modo alinhado ou contaminado por preferências de ideologias ou correntes políticas que sejam contrárias à doutrina social espírita. Ao assumirmos, perante a sociedade, uma clara posição, ela se afigura como, apenas e tão somente, contrária aos lapsos e contaminações de um desgoverno fatídico.

Sendo assim é de se perguntar: continuaremos, como espíritas, a auscultar o som do silêncio? Aquele em que sentenças não ditas produzem a surdez que incomoda, sem ninguém ousar contrapor-se?

Administrador site ECK

Written by 

Postagem efetuada por membro do Conselho Editorial do ECK.

One thought on “O som do silêncio, por Nelson Santos

  1. A doutrina social espírita está nas obras de Allan Karde, notadamente na terceira parte de O Livro dos Espiritos, escrito quando as relações sociais de produção não reconhecia qualquer direitos aos trabalhadores. O Espiritismo veio também para dizer que o ser humano, incluídos os trabalhadores, possui direitos inalienáveis. Chega de silêncio dos bons, pois os que compactuam com os erros continuam a se assanharem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.