O que é ser espírita progressista?, por Marcelo Henrique

Tempo de leitura: < 1 minuto

Marcelo Henrique

Imagem de Gerd Altmann por Pixabay

***
Engajados na implantação do progresso espiritual, reduzindo diferenças, lutando contra os desrespeitos a direitos humanos e trabalhando para que o Espiritismo esteja NA sociedade, nos envolvendo em AÇÕES e PROJETOS SOCIAIS, sobretudo em favor dos mais necessitados, somos, também, PROGRESSISTAS.
***

Não sabemos, de início, se todas as definições de “progressista” são as mesmas, ou se são, elas, concordantes ou conciliatórias entre si.

Como atuamos em alguns grupos que são espíritas e são progressistas, podemos definir o escopo do conceito e da proposta espírita progressista.

Somos, de início, a antítese dos “espíritas conservadores”. E por quê?

Porque o Espiritismo em essência – calcado sobretudo nas Leis Morais e em face de sua estrutura doutrinário-filosófica – é PROGRESSISTA, já que tende ao progresso espiritual (individual e coletivo), no sentido dos indivíduos, de per si e coletivamente, agirem para a promoção do progresso. E é, também, progressivo porque obedece à marcha do progresso que vige em todos os mundos habitados.

Jesus foi um PROGRESSISTA (talvez o maior que a Humanidade tenha conhecido). Kardec foi PROGRESSISTA, pelo que desempenhou como educador na França e, também, como ORGANIZADOR da Doutrina dos Espíritos. E muitos dos Espíritos que instruíram a Humanidade, por meio de mensagens contidas na obra kardeciana, também podem ser assim considerados.

Quanto a nós, por fim, se resolvemos, de fato, engajados na implantação do progresso espiritual, reduzindo diferenças, lutando contra os desrespeitos a direitos humanos e trabalhando para que o Espiritismo esteja NA sociedade (e não apenas nos confortáveis “centros espíritas”), nos envolvendo em AÇÕES e PROJETOS SOCIAIS, sobretudo em favor dos mais necessitados, somos, também, PROGRESSISTAS.

E você, pode se dizer progressista?

Administrador site ECK

Written by 

Postagem efetuada por membro do Conselho Editorial do ECK.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.