Nomes que constroem a aliança da Ciência e da Religião

Tempo de leitura: 11 minutos

Por Edson Figueiredo de Abreu

Kardec: o ponto de união está no conhecimento das Leis que regem o “Universo Espiritual” e suas relações com o mundo corpóreo.

ALLAN KARDEC

Allan Kardec, em um artigo intitulado “Aliança da Ciência e da Religião”, inserido no capítulo I do livro: O Evangelho Segundo o Espiritismo, declara que a ciência e a religião são as duas alavancas da inteligência humana, pois uma revela as Leis do mundo material e a outra as Leis do mundo moral.

E, por terem estas Leis um único princípio, que é DEUS, a ciência e a religião não poderiam contradizer-se. Mas, como cada uma encara as coisas do seu ponto de vista exclusivo, não puderam e não podem entender-se, pois repelem-se mutuamente.

É preciso que haja um ponto de união que as aproxime. Este ponto de união está no conhecimento das Leis que regem o “Universo Espiritual” e suas relações com o mundo corpóreo; leis tão imutáveis quanto as que regem o movimento dos astros e a existência dos seres. Uma vez comprovadas pela experiência essas relações, nova luz se fará: a fé dirigir-se-á à razão; esta nada encontrará de ilógico na fé: vencido será então o materialismo.

Crookes: união com Florence Cook na busca do conhecimento.

SIR WILLIAN CROOKES

Já na época do espiritismo nascente, vários cientistas interessaram-se em estudar os ditos fenômenos espíritas, dentre eles Sir Willian Crookes, de nacionalidade inglesa, que em 1855, pelo seu trabalho de estudos da fotografia da Lua, é admitido na Sociedade Real de Londres (órgão subsidiado pela Coroa Inglesa, que mantinha os cientistas). Willian Crookes era Físico e Químico, foi o descobridor do Tálio, da matéria radiante e inventor do tubo de raios catódicos, além do processo de amalgamação que é utilizado até hoje nos garimpos.

Em 1870, Sir Willian Crookes anuncia no jornal científico “Quartely Journal of Science” que ia se ocupar dos fenômenos chamados espíritas. Foi aclamado unanimemente.

Durante quatro anos, Willian Crookes teve contato com vários médiuns de efeitos físicos, que possibilitaram a pesquisa de muitos fenômenos de materialização de objetos e órgãos humanos (mãos luminosas, etc), além da materialização de mãos em baldes de parafina fervente (após o esfriamento da parafina).

Mas uma médium em particular possibilitou-lhe um estudo mais completo de materialização de espíritos, Srta. Florence Cook, que, quando em transe, possibilitava a materialização completa do espírito Katie King. Nos estudos de Willian Crookes com a médium Florence Cook, todos os cuidados científicos de pesquisa foram tomados, procurando evitar a fraude, e foi possível ao cientista, não só fotografar o espírito Katie King, como captar-lhe as pulsações, pesá-la, medi-la  analisar seus fios de cabelo, constatando serem totalmente diferentes das condições da médium.

Quando, em janeiro de 1874, Sir Willian Crookes, após sérios estudos científicos, publica suas pesquisas atestando a veracidade dos fatos por ele presenciados, foi ridicularizado, quase perdendo o subsídio Real. No livro Fatos Espíritas, editado pela FEB, encontramos todas as anotações efetuadas por Willian Crookes durante suas pesquisas.

Na atualidade, a “Parapsicologia” e a “Física Quântica” estão desvendando os fenômenos ditos sobrenaturais, colocando-os na situação de normalidade e naturalidade que estes contêm.
No entanto, há mais de 30 (trinta) anos, existem alguns outros movimentos de pesquisas que estão ocorrendo fora do espiritismo, nas áreas da psicologia, psiquiatria, medicina e eletrônica, provocados por pessoas que, na maioria das vezes desconhecem a doutrina espírita, mas que estão comprovando, por sua vez, a própria codificação espírita e seus ensinamentos. São eles:

Na área Médica:

Kubler-Ross: ciência que estuda a morte ganha impulso.

DRA. ELIZABETH KUBLER-ROSSS

Médica suíça naturalizada americana, sendo a primeira a se ocupar cientificamente do estudo da morte e a principal iniciadora da Tanatologia (ciência que estuda a morte), em 1966.
A Dra. Elizabeth, através da preparação de seus seminários sobre a morte e seus contatos com vários pacientes terminais, pôde vivenciar uma série de experiências chamadas por ela de “místicas”, que lhe comprovaram que a morte não existe, sendo apenas um passo para um novo estágio na evolução do ser. Dentre seus vários livros, destacam-se estes dois: Morte: Estágio Final da Evolução de 1974 e A Roda da Vida publicado em 1998.

Nas suas experiências e vivencias a Dra. Elisabeth Kubler-Ross conseguiu identificar reações psicológicas de seus pacientes em estado terminal e elaborou o conceito das “cinco fases do luto”, que é estudado e adotado até hoje em muitas universidades.

 

Moody: o pai das Experiências de Quase Morte

DR. RAYMOND A. MOODY JR.

Médico americano que se especializou na pesquisa dos fenômenos conhecidos como EQM “Experiências de Quase Morte”, situação esta em que a pessoa entra em estado de coma e quando retorna relata as experiências que vivenciou quando se encontrava no estado comatoso.

O Dr. Raymond pesquisou mais de 900 pessoas em diferentes estados americanos, de diferentes idades, condição financeira, crenças, situação que provocou o coma etc, e constatou que, de uma forma geral, todas diziam a mesma coisa, ou seja: que se viam saindo do corpo e percebendo a agitação dos médicos à sua volta, que viam seu corpo entubado e que ao mesmo tempo que sentiam medo pelo inusitado da situação, sentiam-se aliviadas e felizes, pois a dor desaparecia completamente.

Viam-se atraídas para um túnel de luz e ao final deste, encontravam-se com parentes ou amigos já mortos, num estado de paz e bem-estar muito grande.

Após perceberem, das maneiras mais diversas, que ainda não havia chegado sua vez, retornavam ao corpo e passavam a sentir novamente as dores físicas, saindo completamente do estado de coma. Alguns dos relatos de alguns pacientes e as conclusões do Dr. Raymond podem ser conferidos no seu livro: Vida Depois da Vida publicado em 1975. Também pode ser visitado o site: www.lifeafterlife.com

Na área Eletrônica:

TCI (Transcomunicação Instrumental) como o próprio nome já diz, caracteriza-se pela comunicação com o chamado mundo dos mortos (espíritos) através de aparelhos eletrônicos (gravadores, fax, computadores, telefones, câmeras de vídeo, etc…).

Jurgenson: Sons do invisível.

FRIEDRICH JURGENSON

Estes estudos começaram com Friedrich Jurgenson em 1959 na cidade de Estocolmo, que acidentalmente, quando gravava sons de pássaros, percebeu vozes na fita, vindo a constatar mais tarde tratar-se de vozes de pessoas já mortas.

Posteriormente, Konstantin Raudive, em 1964, na Espanha, tomando conhecimento do trabalho de Jurgenson, interessou-se e passou a também gravar vozes, chegando a obter mais de 70000 vozes diferentes. Publicou o livro: O inaudível torna-se audível em 1968.

Atualmente, este movimento conta com muitos pesquisadores, principalmente na Europa e conta-se mais de 200 livros diferentes. Dentre estes pesquisadores destaca-se o Padre francês François Brune, pesquisador do Vaticano, que publicou os seguintes livros: Os mortos nos Falam em 1991 e Linha Direta do Além em 1994.

Já aconteceram vários congressos internacionais sobre TCI, inclusive um no Brasil promovido pela AME – Associação Médico Espírita. Aqui no Brasil também contamos com vários pesquisadores sérios, destacando-se: Clovis Nunes, Ney Prieto Peres e Djalma Motta Argolo, além do trabalho de Sonia Rinaldi, que é uma das precursoras da TCI, pois fundou em 1995 a “ANT – Associação Nacional de Transcomunicadores” e em 1997, em conjunto com outros pesquisadores nacionais e internacionais a “GAIT -Global Association of Instrumental Transcommunication”, nos EUA.

Alguns outros livros que tratam deste assunto são os seguintes: Os Espíritos Comunicam-se por Gravadores – Peter Bander – Inglês, Espiritismo e Transcomunicação – Djalma Motta Argolo – Brasileiro, Transcomunicação Instrumental – Sônia Rinaldi – Brasileira. Maiores informações sobre o assunto podem ser obtidas no site: http://www.ipati.org/.

Na área da Psiquiatria:

Stevenson: estudo da reencarnação como história de vida.

DR. IAN STEVENSON

Dr. Ian Stevenson – Americano que foi chefe da Divisão de Parapsicologia do Departamento de Psiquiatria da Universidade de Virginia – EUA. O Dr. Stevenson, num trabalho que durou mais de 20 anos, pesquisou e arquivou mais de 2000 casos de pessoas, na sua maioria crianças, que, em dado momento de suas vidas, sem uma razão muito clara para isso, passaram a dizer que tinham sido outra pessoa em outra vida diferente, lembrando-se com impressionante nitidez de fatos e situações vividas, assim como de nomes de pessoas e cidades.

Durante suas pesquisas, que não se limitaram apenas aos EUA, estendendo-se por outros países, inclusive o Brasil, o Dr. Stevenson pôde comprovar documentalmente 20 destes casos (dois brasileiros), que estão descritos no seu livro intitulado 20 Casos Sugestivos de Reencarnação publicado em 1988.

O Dr. Stevenson também elaborou e publicou interessante estudo, ainda não traduzido para o português (Biology and Reincarnation), sobre a comprovação da reencarnação através das ditas “marcas de nascença”, que demonstram que as pessoas além de trazerem marcas semelhantes à de seus antepassados já falecidos, traziam também inconfundíveis traços de sua personalidade, tão marcantes que faziam acreditar tratar-se do mesmo espírito, agora em corpo diferente. Maiores informações são obtidas no site: www.childpastlives.org.

 

Banerjee: 3000 casos catalogados de reencarnação.

DR. HEMENDRA NATH BANERJEE

Indiano, da Universidade de Japur na Índia, fundador do Instituto Indiano de Parapsicologia em 1957 e desde 1970 radicado nos Estados Unidos, possui trabalho semelhante ao do Dr. Stevenson, contando com mais de 3000 casos catalogados. Relata 3 casos interessantes ocorridos na Índia e Sri Lanka de crianças que, levadas por seus pais atuais, conviveram um tempo com suas famílias anteriores.

Na área do Jornalismo Investigativo:

SHRODER: Trabalho jornalístico incessante.

TOM SHRODER

Jornalista Americano muito respeitado no meio jornalístico e ganhador de vários prêmios, dentre eles o Politzer. Editor do Washington Post e Miami Herald, que após pesquisas jornalísticas junto ao Dr. Ian Stevenson publicou o livro: Almas Antigas em 2001. Ele mesmo pesquisou alguns casos em diferentes estados nos EUA, constatando que a experiência é mais comum do que se supõe e que existem muito mais casos do que se imagina.

Na área da Psicologia:

Wambach: Pesquisas sobre regressão.

DRA. HELEN WAMBACH

Americana de Nova Jersey, que durante 20 anos de pesquisa, trabalhou com mais de 1200 pessoas, hipnotizando-as e levando-as a regredir para além do útero materno, levando-as a vivenciarem outras vidas, uma média de 20 vidas diferentes por pessoa, atingindo a incrível marca de 24000 vidas pesquisadas.
Após este extenso trabalho, as conclusões da Dra. Wambach, além de interessantes, comprovam alguns dos ensinamentos da doutrina espírita, dentre eles a de que o espírito não tem sexo, pois nos relatos das 24000 vidas, 49,4% das vezes as pessoas eram mulheres e 50,6% das vezes as pessoas eram homens. Comprova também outro ensinamento de que reencarnamos nas situações e nos corpos adequados ao nosso aprendizado de momento.
Outra conclusão interessante do trabalho da Dra. Wambach é que em 90% dos casos das 24000 vidas, as pessoas declararam que morrer não era o problema, pois era, na maioria dos casos, um grande alívio, mas retornar a um novo corpo (reencarne) era uma experiência estressante, pois se deixava o certo pelo incerto. As experiências da Dra. Wambach e suas conclusões estão contidas no seu livro: Recordando Vidas Passadas publicado em 1978.

Fiori: pesquisas sobre obsessão.

DRA. EDITH FIORE

Psicóloga clínica Americana (PhD) possui também excelente trabalho desenvolvido através de pesquisas, iniciadas em 1975, utilizando a TVP. Em 1978, publicou seu primeiro livro: Já Vivemos Antes, apresentando alguns casos de vidas passadas “reencarnação” os quais foram constatados por ela com vários pacientes.

Após mais 10 anos de intensas pesquisas e trabalho clínico com vários pacientes publica novo livro: Possessão Espiritual, no qual afirma que 70% de seus pacientes eram possessos. Os pacientes, quando em transe profundo, apresentavam personalidade e comportamentos bem diferentes da sua maneira tradicional de agir, aparentando serem outra ou outras pessoas. (+ de uma personagem).

Este seu 2º livro contribui para os estudos espíritas, porque referenda muitas das afirmativas doutrinarias sobre os processos de obsessão, através de uma pessoa isenta e, até certo ponto, cética.

Veja uma declaração dela: “mesmo depois de tantos anos trabalhando com espíritos, repetidamente “lutando” com alguns teimosos, confusos, hostis e aterrados, ainda não estou 100% convicta de que eles não são fantasias da imaginação”.

Whitton: Na pauta o que faz o espírito entre uma vida e outra.

DR. JOEL L. WHITTON

Professor da Universidade de Toronto – Canadá. Por acreditar na reencarnação, o Dr. Whitton dirigiu seu trabalho não para comprovar a existência de várias vidas, mas para descobrir o que o espírito faz entre uma vida e outra.

Assim, todas as suas experiências, que também foram extensas, levavam seus pacientes a um estado de consciência que nada mais era do que a morte entre uma vida e outra, e ali obtinha deles a descrição do que estavam fazendo, vendo, etc… As conclusões do Dr. Whitton também comprovam alguns ensinamentos da doutrina espírita, como por exemplo: de que a vida continua após a morte de forma até mais organizada que a vida material; de que cada um se posiciona no plano espiritual em conformidade com o que realmente é; e de que não existe um prazo certo entre um reencarne e outro, pois nas suas pesquisas o menor tempo que ele obteve foi três meses e o maior foi de 237 anos.

O Dr. Whitton descreve todo seu trabalho no livro: Vida Transição Vida publicado em 1986.

DR. RAYMOND A. MOODY JR.

O mesmo das experiências de EQM, publicou um novo livro em 1990 cujo título é: Investigando Vidas Passadas, após ter ele mesmo experimentado, durante 2 horas seguidas, nove vidas diferentes em 1985, através de sua amiga e também pesquisadora Dra. Diana Denholm – Flórida – EUA. O Dr. Raymond declara neste seu livro que não acreditava nestas experiências e achava que todos os médicos envolvidos nas mesmas eram inconsequentes ou aproveitadores. Mas quando soube que sua amiga Diana Denholm também estava utilizando estas práticas hipnóticas com seus pacientes e os estava curando, desafiou-a a hipnotizá-lo e fazê-lo vivenciar alguma vida. A experiência de 2 horas foi a tal ponto impressionante, que o Dr. Raymond não teve uma alternativa a não ser render-se aos fatos e passar imediatamente a também pesquisar sobre o assunto, vindo a escrever, após alguns anos, o livro acima citado.

Weiss: de cético à pesquisador renomado.

DR. BRIAN L. WEISS

Psiquiatra/Neurologista – Ex Chefe do Departamento de Psiquiatria do Hospital da Universidade de Miami “Mount Sinai Medical Center”. O trabalho do Dr. Weiss é também muito impressionante, pois além de provar uma das bases da doutrina espírita que é a lei da reencarnação, pôde comprovar a mediunidade e a comunicabilidade com os espíritos ditos mortos.

De descendência judia, não aceitava a possibilidade da reencarnação e, como médico, combatia exaustivamente o uso dos métodos não tradicionais de tratamento psiquiátrico, até que, acidentalmente, levou uma paciente a falar-lhe de uma outra vida durante um transe hipnótico.

Após este acidente, o Dr. Weiss também teve de render-se aos fatos e sua curiosidade científica falou mais alto, levando-o a pesquisar várias vidas da paciente, pesquisa esta que lhe possibilitou também comunicar-se com espíritos chamados de “mestres” pela paciente, recebendo destes, orientações filosóficas que fizeram-no mudar suas próprias atitudes de vida, além de receber também notícias de seus parentes já desencarnados (pai e filho).

O Dr. Weiss publicou vários livros que vale a pena serem lidos pelos espíritas ou não, são eles: em 1988 – Muitas Vidas, Muitos Mestres, em 1996 – A Cura através da Terapia de Vidas Passadas, em 1997 – Só o Amor é Real, em 1999 – A Divina Sabedoria dos Mestres e em 2004 – Muitas Vidas uma só Alma. Maiores informações podem ser obtidas no site: www.brianweiss.com. Para obter maiores informações sobre outros pesquisadores da reencarnação, pesquise o site: www.reincarnationcentral.com.
Desde 1997 existe na Internet um fórum de discussão sobre a reencarnação, que pode ser acessado através do site: www.reincarnationForum.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.